terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Passivo

desconversa tamanha 
manha
entorta o assunto de ontem
e vai escarrando arrogância na minha cara
como se eu fosse o asfalto que pisa
e realmente 
não me importa mais
o teu bafo, teus ossos, tua cara amassada
as minhas unhas vermelhas de vó
já não te arranham mais como antes
sua pele de plástico e esses olhos
que eu nunca vi de fato abertos
porque jamais te encarei como homem
a movimentação dos carros interessava mais
até os assuntos mais fúteis dos botecos
me enoja saber que um dia fui sua
que já quis você debaixo da minha pele
mas não me arrependo por ter que lembrar
fui feliz, meu bem
não te amei porque você sempre foi pouco comigo
propus negociar 
compartilhar nossas vidas
e a sua fraqueza alienada impediu
cuspa, amor!
bata se for necessário
porque nada
absolutamente nada
se compara com o desgosto
de saber que desperdicei até um segundo 
por você...

Nenhum comentário: