quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Meu caro amigo


Ouve esse ruído? Ou eu apenas continuo imaginando?
Não, meu caro... não gosto de despedidas
Afaste de mim o seu Adeus, pois de mim nada representa
Somente o vácuo da sua ausência... a minha permanência
De tristeza eu sigo cantarolando tudo a nossa volta
Confesso que é um pouco estranho e rústico o meu sentimento
Lógico, no nosso atual dia, de que vale sonhar?
Eu espero que não se importe com a minha contínua saudade
Realmente, sei que irei sumir fisicamente com tudo
Mas por favor, leia bem... Eu não te esquecerei por assim só
Minha consciência, e principalmente, meu pedaço de sentimento é real
Tudo tende a crescer e se fortalecer, sem nenhum nó
Você compreende, não é mesmo? Enxerga o que isso me representa?
Entenda, são tantas pessoas vazias ao meu redor
E como luz você se destaca, é impossível simplesmente te apagar
Importante como você, só o feixe que interrompe a nossa rotina.


Obviamente, você se afastará, eu sei.
Assim como eu também.
Mas meu caro, eu tenho uma forte consideração por você
Não tão rígida quanto o meu carinho comum
Talvez não faça ideia do que representa pra mim
Sou meio difícil com essas coisas de amizade
Tenho traumas pelas curtas estradas que passei
Carrego sequelas e me contento com elas...


Sou grata por tudo, até pela falta de atenção pela qual você lê isso
É apenas um cliché "até logo".
Bem... eu tentei e converti em amizade tudo que me representa
Nada irá adiantar a minha tristeza agora em, de fato, me despedir
Parece besteira, mas sou fraca demais pra isso.


A vida já me levou tantas luzes, que a escuridão virou perseguição
Mas de esperanças como você, eu sigo pela estrada amiga...
Sozinha... mas tranquila...
Obrigada, caro amigo. Obrigada

2 comentários:

Nádia C. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nádia C. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.